O Futuro do Trabalho

Gilclér Regina

O futuro do trabalho

“O futuro do emprego está na prestação de serviços... um motivo mais que suficiente para enxergar a necessidade de se investir no tema empreendedorismo”.
* Gilclér Regina

Há vinte anos eu venho debatendo esse assunto em minhas palestras e esta frase que dá tema a esta matéria virou um jargão.

Você já parou para pensar sobre aquele jornal que era a principal mídia de sua cidade? E hoje, qual é o canal que leva a informação que a maioria assiste? Será ainda aquela TV famosa ou essa mídia também migrou? Seu filho assiste TV? Ou seu filho assiste Netflix? Você assiste TV? Você ainda lê a revista semanal de informação?

Se você fizer uma pesquisa hoje com os jovens sobre quem são as 10 maiores celebridades, tenha a certeza que, no mínimo, a metade será composta por youtubers que para nós podem ser ilustres desconhecidos, mas tem milhões de acessos em suas mensagens.

Você lembra qual era a maior empresa de sua cidade, sua região? Continua sendo? Faço estas indagações porque muita coisa mudou e de agora em diante irá mudar a cada segundo que o mundo avança. Isso mesmo, segundos porque minutos já é muito.

A conclusão que há vinte anos eu já debatia continua atual, ou seja, o dinheiro não acaba, apenas muda de mão. Todos querem que caiam em sua suas mãos, mas para que tal aconteça precisa estar antenado com o novo mundo.

A nova onda chama-se “Quarta revolução industrial” onde o alemão Klaus Schuab debate em seu livro o que vem por aí em inteligência artificial na automação industrial, a cibernética, a transformação da mão-de-obra humana para totalmente robotizada e isso é uma realidade. Isso nasceu em 2013 dentro do governo alemão e está em curso, a passos de gigante.

Algumas fontes já dão 2025 como um ano de virada. Já em 2025 dizem que 10% da frota americana de veículos e automotores serão composta “sem motoristas”. Aí vêm casas inteligentes, aplicativos inteligentes que substituem o ser humano em várias áreas.

Quais as profissões que deixarão de existir? Neste posicionamento da quarta onda muitas profissões já não irão existir como caixa de bancos, telemarketing, árbitros, caixas de supermercados. A própria existência de “Bancos” está sendo colocada em cheque.

A BMW já anunciou que em 2025 já não irá mais produzir carros com combustíveis fósseis... a Toyota indo para o mesmo caminho.

Meu objetivo aqui é repensar e fazer pensar. Você está preparado para as mudanças que estão a caminho? Você já percebeu que algumas profissões de hoje, sem muito valor financeiro, serão as profissões do futuro. Alguns exemplos: Com o envelhecimento da população e o aumento da expectativa de vida, vêm aí profissões que serão valorizadas como Cuidadores de idosos, Enfermeiros, profissões que lidam com o ser humano...

O Brasil é o 7º colocado mundial entre 51 países no ranking de desemprego, segundo dados da consultoria Austin Rating. E o IBGE aponta que o nosso índice superou 12% da população economicamente ativa. Na realidade, este número é muito maior, pois são considerados apenas aqueles que estão em busca de trabalho, ou seja, quem está há meses sem uma oportunidade e já desistiu de buscar uma recolocação, não entra nestas estatísticas.

Em São Paulo, a Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED), realizada pela Fundação SEADE, apontou um índice de 17,5% em setembro do ano passado. Para que tenhamos uma ideia do impacto disso, vale lembrar o que aconteceu nos Estados Unidos durante a “Grande Depressão”, ocorrida em 1929. Naquela ocasião, a taxa de desemprego atingiu 16% em 1931, chegando ao pico de 25% em 1933. Isso demonstra a proporção da atual crise econômica e política que atingiu nosso país.

O fato é que o emprego em seu formato tradicional mudou e está deixando de existir. As grandes empresas geram cada vez menos oportunidades de trabalho e hoje são as micro e pequenas empresas as responsáveis por impulsionar cerca de 60% das ocupações.

Isso é uma consequência direta desta chamada “Quarta Revolução Industrial” que se caracteriza pela predominância da tecnologia da informação. O processo de automatização da produção industrial levará a uma independência da atuação humana em larga escala. Assim, o futuro do emprego está na prestação de serviços, motivo pelo qual o empreendedorismo precisa ser estimulado.

Alguns conselhos: Evite os empréstimos, em especial junto a bancos, pois é impossível vencer os juros compostos. Separe as finanças pessoais da corporativa, pois ainda é comum uma empresa não ter sucesso simplesmente porque os sócios fazem retiradas num nível incompatível com o lucro do negócio.
 
E finalmente, ter verdadeira paixão pelo negócios que escolher fará toda a diferença. Não há equívoco maior do que optar por algo pelo qual não se tenha conhecimento, competência, dedicação, determinação e entusiasmo.

É agora ou nunca. A única certeza que sempre tivemos desde que o mundo é mundo chama-se “mudança”. Quem fica parado corre o risco de ser atropelado pela concorrência e, neste caso, você não sabe nem de onde ela vem. Não correr riscos pode ser a atitude mais arriscada.

Pense nisso, um forte abraço e esteja com Deus!


 

  • Gilclér Regina é Escritor e Palestrante Profissional

Uma pessoa simples que se transformou num dos mais reconhecidos Conferencistas do país, com atuações também no exterior.

www.gilclerregina.com.br

www.facebook.com/gilcler

044-3041-7150

© 2017 Folha da Manhã - Criado com o  Wix.

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now